Projetos

Nuada – Mão Amiga

100% Montante confirmado = € 150.000,00
Montante reservado = € 0,00
€ 150.000,00
100% Financiado
6 mth

Prazo

5%

TANB

5 meses

Período de Carência

mensal

periodicidade

B-

rating

social_entrepreneurship

Empreendedorismo social

3. Vida Saudável

SDG 3. Vida Saudável

Empréstimo intercalar a startup portuguesa financiada pela UE.

Impacto

  • Melhor qualidade de vida para pessoas com mobilidade da mão reduzida: ao devolver mobilidade à mão, a Nuada permite aos seus utilizadores a realização de diversas tarefas que antes seriam difíceis ou impossíveis, de forma confortável.

  • Inclusão de pessoas com problemas de mobilidade da mão: a luva tem um custo significativamente menor do que o dos sistemas que existem atualmente no mercado (25% do preço dos seus concorrentes principais concorrentes - SEM Glove e NASA/GM). Sendo mais barato, é acessível a mais pessoas. Além disso, as características visuais da luva (leveza e discrição), contribuem para reduzir eventuais situações discriminatórias.

  • Cuidados de saúde holísticos e de qualidade: o sistema de rastreamento e a possibilidade de partilha de dados com os profissionais de saúde que acompanham o utilizador, garante o acompanhamento do estado de saúde do paciente de forma holística, aumentando a sua qualidade.

Informação do Projeto

A Nuada é uma start-up portuguesa fundada em 2015 que desenvolve exoesqueletos inteligentes. A sua tecnologia patenteada começou por ser aplicada à mão de forma a criar uma luva eletrónica revolucionária que permite a pessoas com problemas nos músculos e nas articulações da mão pegar em objetos pesados (que podem chegar aos 40 quilos), com a mão "relaxada" e sem fazer força. A ideia já foi validada com sucesso, há pessoas em lista de espera para comprar a luva e a empresa está neste momento a preparar a fase de industrialização. A luva é segura, leve e pequena e foi desenhada para ser acessível e não intrusiva. Através da utilização de tecidos finos, respiráveis e inteligentes, é uma tecnologia única que pode ser utilizada no dia-a-dia dos seus utilizadores de forma simples.

Esta campanha é um empréstimo de tesouraria que permitirá ao promotor continuar a sua atividade, até receber o montante do pagamento intermédio do fundo Horizonte 2020 da União Europeia (previsto para dezembro de 2020).

O sistema foi desenvolvido a pensar em pessoas que sofrem de uma doença ou dor aguda musculoesquelética na mão ou no pulso, sintomas que afetam milhões de pessoas em todo o mundo devido a razões como o envelhecimento, acidentes vasculares cerebrais (AVC) ou artrites. Depois de várias conversas com diferentes stakeholders, foram amadurecidos dois outros mercados para o produto: profissionais com atividades manuais exigentes, uma vez que evita problemas causados pelo desgaste do uso da mão, ajudando na prevenção de doenças e melhoria de produtividade; por praticantes de desporto, uma vez que aumenta a força e o conforto das mãos, minimizando o risco de lesões provocado por movimentos repetitivos; e ainda como ferramenta de reabilitação por fisioterapeutas ou pessoas com deficiência. Auxiliar estas pessoas na realização de tarefas diárias aparentemente tão simples quanto pegar num objeto ou ir às compras, e contribuir para a sua recuperação médica são os principais objetivos da empresa.

O produto é composto por uma luva, com tendões artificiais e sensores, e por pulseira (que parece um relógio e que contém a maior parte dos componentes eletrónicos e conetividade). Assim que uma pessoa calça a luva aparentemente “normal”, os dois sistemas ligam-se. Por dentro, a luva tem uma série de tendões artificiais - fios - que estão ligados aos dedos. São estes tendões que impulsionam a mão quando esta tem, por exemplo, de pegar num copo. Ou seja, a luva é que executa grande parte do movimento, diminuindo o esforço físico da própria mão. Segundo Felipe Quinaz, o CEO da empresa, “a decisão de ativação do sistema é fornecida pelos sensores inseridos na luva, que "permitem saber, através de um algoritmo que desenvolvemos, quando a pessoa quer abrir e fechar a mão". "Na pulseira, temos o sistema mecânico que equivale ao músculo do braço. Os nossos tendões da mão são puxados pelo músculo do braço. Os tendões da luva mantêm-se em tensão devido ao sistema mecânico", explica.

Com um design ergonómico e pequeno, os componentes da luva são leves e eficientes em termos energéticos. A luva foi criada para ser um acessório de uso diário, confortável e seguro, mantendo uma relação não intrusiva com o corpo do utilizador, garantindo sensibilidade ao toque e tendo uma bateria com uma elevada vida útil.

A luva está ainda equipada com um sistema de rastreamento holístico da função da mão, o qual guarda métricas do seu utilizador em tempo real, tais como a força de tração, estabilidade ao puxar e frequência cardíaca, entre outras. A informação recolhida pode depois ser acedida e analisada pelo utilizador ou pelos profissionais de saúde que o acompanham num smartphone, PC, tablet, em tempo real ou mais tarde.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a proporção de pessoas idosas que precisam de apoio de adultos vai aumentar de 10,5% em 1955, 12,3% em 1995, para 17,2% em 2025. Uma vez que estas pessoas têm necessidades diferentes em termos de saúde, os sistemas terão que se adaptar para providenciar cuidados adequados que são financeramente sustentáveis.

De acordo com a Federação Mundial do Coração, há cerca de 15 milhões de novos casos de AVC por ano em todo o mundo e 50 milhões de pessoas nos Estados Unidos sofrem de artrite. Além disso, lesões provocadas por movimentos repetitivos relacionados com trabalho representam 30% das lesões musculo-esqueléticas diagnosticadas. Estes números representam uma enorme oportunidade para „robots de serviço”, como é o caso da luva NUDA, uma vez que ajudam a compensar os efeitos da deficiência da mão.

Este é um mercado por explorar com desenvolvimentos a acontecer em simultâneo por poucas empresas, sendo que o promotor é claramente um dos principais players do mercado, pelo seu estado de desenvolvimento, funcionalidades, qualidade-preço e tempo até comercialização.

Viabilidade financeira

  • Vários pilotos bem sucedidos com multinacionais bem estabelecidas (no setor automóvel ou de ferramentas): das mais de 200 empresas que pediram pilotos, em janeiro de 2017, a Nuada iniciou um piloto com a Auto-Europa (Grupo Volkswagen), Hilti (Estados Unidos e Portugal) e Comau (Itália). Estes pilotos permitiram à empresa validar o mercado e aumentar a notoriedade da sua tecnologia. Num futuro próximo, a empresa espera adicionar a My Handspring (setor da saúde nos Estados Unidos), Hospitais Portugueses e Hospitais do Reino Unido.

  • Mais de 1000 pessoas em lista de espera para comprar: sem fazerem esforços de marketing, a empresa recebeu mais de 1000 contactos de pessoas com interesse em comprar a luva.

  • Contratos exclusivos de distribuição com valor mínimo de encomenda anual: cartas de intenção de distribuidores em Portugal, Angola, Moçambique e os Emirados Árabes Unidos – este modelo é fácil de escalar, uma vez que está alavancado em canais de vendas bem estabelecidos, exigindo poucos recursos em termos logísticos e de marketing, quando comparado com as vendas diretas.

Além disso, o projeto NUADA foi aprovado pelo fundo perdido mais competitivo da Comissão Europeia - EIC Accelerator (SME Instrument Phase 2). Com um orçamento total próximo de € 2,5M , esta subvenção da UE é de € 1,7M  a fundo perdido. A Nuada receberá um pagamento intermédio de até 687.750 € durante o quarto trimestre de 2020 (previsto para dezembro de 2020). Este montante será utilizado para pagar o empréstimo aos investidores da GoParity.

100% Financiado
6 mth

Prazo

5%

TANB

5 meses

Período de Carência

mensal

periodicidade

B-

rating

social_entrepreneurship

Empreendedorismo social

3. Vida Saudável

SDG 3. Vida Saudável

Empréstimo intercalar a startup portuguesa financiada pela UE.

100% Montante confirmado = € 150.000,00
Montante reservado = € 0,00
€ 150.000,00

Impacto

  • Melhor qualidade de vida para pessoas com mobilidade da mão reduzida: ao devolver mobilidade à mão, a Nuada permite aos seus utilizadores a realização de diversas tarefas que antes seriam difíceis ou impossíveis, de forma confortável.

  • Inclusão de pessoas com problemas de mobilidade da mão: a luva tem um custo significativamente menor do que o dos sistemas que existem atualmente no mercado (25% do preço dos seus concorrentes principais concorrentes - SEM Glove e NASA/GM). Sendo mais barato, é acessível a mais pessoas. Além disso, as características visuais da luva (leveza e discrição), contribuem para reduzir eventuais situações discriminatórias.

  • Cuidados de saúde holísticos e de qualidade: o sistema de rastreamento e a possibilidade de partilha de dados com os profissionais de saúde que acompanham o utilizador, garante o acompanhamento do estado de saúde do paciente de forma holística, aumentando a sua qualidade.

Informação do Projeto

A Nuada é uma start-up portuguesa fundada em 2015 que desenvolve exoesqueletos inteligentes. A sua tecnologia patenteada começou por ser aplicada à mão de forma a criar uma luva eletrónica revolucionária que permite a pessoas com problemas nos músculos e nas articulações da mão pegar em objetos pesados (que podem chegar aos 40 quilos), com a mão "relaxada" e sem fazer força. A ideia já foi validada com sucesso, há pessoas em lista de espera para comprar a luva e a empresa está neste momento a preparar a fase de industrialização. A luva é segura, leve e pequena e foi desenhada para ser acessível e não intrusiva. Através da utilização de tecidos finos, respiráveis e inteligentes, é uma tecnologia única que pode ser utilizada no dia-a-dia dos seus utilizadores de forma simples.

Esta campanha é um empréstimo de tesouraria que permitirá ao promotor continuar a sua atividade, até receber o montante do pagamento intermédio do fundo Horizonte 2020 da União Europeia (previsto para dezembro de 2020).

O sistema foi desenvolvido a pensar em pessoas que sofrem de uma doença ou dor aguda musculoesquelética na mão ou no pulso, sintomas que afetam milhões de pessoas em todo o mundo devido a razões como o envelhecimento, acidentes vasculares cerebrais (AVC) ou artrites. Depois de várias conversas com diferentes stakeholders, foram amadurecidos dois outros mercados para o produto: profissionais com atividades manuais exigentes, uma vez que evita problemas causados pelo desgaste do uso da mão, ajudando na prevenção de doenças e melhoria de produtividade; por praticantes de desporto, uma vez que aumenta a força e o conforto das mãos, minimizando o risco de lesões provocado por movimentos repetitivos; e ainda como ferramenta de reabilitação por fisioterapeutas ou pessoas com deficiência. Auxiliar estas pessoas na realização de tarefas diárias aparentemente tão simples quanto pegar num objeto ou ir às compras, e contribuir para a sua recuperação médica são os principais objetivos da empresa.

O produto é composto por uma luva, com tendões artificiais e sensores, e por pulseira (que parece um relógio e que contém a maior parte dos componentes eletrónicos e conetividade). Assim que uma pessoa calça a luva aparentemente “normal”, os dois sistemas ligam-se. Por dentro, a luva tem uma série de tendões artificiais - fios - que estão ligados aos dedos. São estes tendões que impulsionam a mão quando esta tem, por exemplo, de pegar num copo. Ou seja, a luva é que executa grande parte do movimento, diminuindo o esforço físico da própria mão. Segundo Felipe Quinaz, o CEO da empresa, “a decisão de ativação do sistema é fornecida pelos sensores inseridos na luva, que "permitem saber, através de um algoritmo que desenvolvemos, quando a pessoa quer abrir e fechar a mão". "Na pulseira, temos o sistema mecânico que equivale ao músculo do braço. Os nossos tendões da mão são puxados pelo músculo do braço. Os tendões da luva mantêm-se em tensão devido ao sistema mecânico", explica.

Com um design ergonómico e pequeno, os componentes da luva são leves e eficientes em termos energéticos. A luva foi criada para ser um acessório de uso diário, confortável e seguro, mantendo uma relação não intrusiva com o corpo do utilizador, garantindo sensibilidade ao toque e tendo uma bateria com uma elevada vida útil.

A luva está ainda equipada com um sistema de rastreamento holístico da função da mão, o qual guarda métricas do seu utilizador em tempo real, tais como a força de tração, estabilidade ao puxar e frequência cardíaca, entre outras. A informação recolhida pode depois ser acedida e analisada pelo utilizador ou pelos profissionais de saúde que o acompanham num smartphone, PC, tablet, em tempo real ou mais tarde.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a proporção de pessoas idosas que precisam de apoio de adultos vai aumentar de 10,5% em 1955, 12,3% em 1995, para 17,2% em 2025. Uma vez que estas pessoas têm necessidades diferentes em termos de saúde, os sistemas terão que se adaptar para providenciar cuidados adequados que são financeramente sustentáveis.

De acordo com a Federação Mundial do Coração, há cerca de 15 milhões de novos casos de AVC por ano em todo o mundo e 50 milhões de pessoas nos Estados Unidos sofrem de artrite. Além disso, lesões provocadas por movimentos repetitivos relacionados com trabalho representam 30% das lesões musculo-esqueléticas diagnosticadas. Estes números representam uma enorme oportunidade para „robots de serviço”, como é o caso da luva NUDA, uma vez que ajudam a compensar os efeitos da deficiência da mão.

Este é um mercado por explorar com desenvolvimentos a acontecer em simultâneo por poucas empresas, sendo que o promotor é claramente um dos principais players do mercado, pelo seu estado de desenvolvimento, funcionalidades, qualidade-preço e tempo até comercialização.

Viabilidade financeira

  • Vários pilotos bem sucedidos com multinacionais bem estabelecidas (no setor automóvel ou de ferramentas): das mais de 200 empresas que pediram pilotos, em janeiro de 2017, a Nuada iniciou um piloto com a Auto-Europa (Grupo Volkswagen), Hilti (Estados Unidos e Portugal) e Comau (Itália). Estes pilotos permitiram à empresa validar o mercado e aumentar a notoriedade da sua tecnologia. Num futuro próximo, a empresa espera adicionar a My Handspring (setor da saúde nos Estados Unidos), Hospitais Portugueses e Hospitais do Reino Unido.

  • Mais de 1000 pessoas em lista de espera para comprar: sem fazerem esforços de marketing, a empresa recebeu mais de 1000 contactos de pessoas com interesse em comprar a luva.

  • Contratos exclusivos de distribuição com valor mínimo de encomenda anual: cartas de intenção de distribuidores em Portugal, Angola, Moçambique e os Emirados Árabes Unidos – este modelo é fácil de escalar, uma vez que está alavancado em canais de vendas bem estabelecidos, exigindo poucos recursos em termos logísticos e de marketing, quando comparado com as vendas diretas.

Além disso, o projeto NUADA foi aprovado pelo fundo perdido mais competitivo da Comissão Europeia - EIC Accelerator (SME Instrument Phase 2). Com um orçamento total próximo de € 2,5M , esta subvenção da UE é de € 1,7M  a fundo perdido. A Nuada receberá um pagamento intermédio de até 687.750 € durante o quarto trimestre de 2020 (previsto para dezembro de 2020). Este montante será utilizado para pagar o empréstimo aos investidores da GoParity.

Nuada, LDA

Ativo desde
2015
País fiscal
Portugal
Com operações em
Braga e Porto
Indústria
Tecnologia
Empréstimos GoParity
1
Sobre Nuada, LDA

A NUADA é uma empresa portuguesa, fundada em 2015, para assegurar o desenvolvimento e exploração comercial da luva NUADA, um exoesqueleto inteligente. A empresa já recebeu vários prémios ao longo dos anos com o seu produto modelo.

A equipa NUADA é composta por 11 pessoas com perfis multidisciplinares e com um conjunto de competências que permitirão à empresa atingir os seus objetivos.

Filipe Quinaz (Chief Executive Officer). Mestrado em Engenharia Informática e estudante de doutoramenteo em Biomedicina, na Universidade da Beira Interior.

Vitor Crespo (Chief Sales Officer). Empreendedor no setor da saúde, com mais de 20 anos de experiência em multinacionais, durante os quais desenvolveu competências de gestão, vendas, captção de investimento e distribuição.

Fernando Nogueira (Chief Product Officer). Engenheiro eletrónico com duas pós-graduações em Design de Produto e Gestão Industrial. Tem uma vasta experiência profissional em desenvolvimento de produto.

A equipa é ainda composta pela Carolina Amorim (Project Manager), Rita Faro (Regulatory Affairs), um bio-engenheiro, dois software developers e um engenheiro eletronico. Além disso, é apiada por um grupo de advisors com larga experiência em áreas como Desenvolvimento de Produto, Hardware, produção, software, têxtil, mercados industriais, financiamento e setor da saúde. São líderes de grandes empresas, grupos universitários e estruturas de Venture Capital que irão garantir que a equipa tem inputs de especialistas para os próximos desafios.

Porquê o nome Nuada?

Nuada é o nome do rei dos deuses na mitologia celta. Durante uma batalha terá perdido o braço ou a mão. Ao perder a mão, deixou de ser um deus perfeito e, por isto, teve de abdicar do seu trono. Quem o substituiu foi um outro deus, muito mau, que colocou a humanidade em perigo. Para que Nuada voltasse a ocupar o trono, fizeram-lhe uma prótese do membro em prata, que permitiu que este voltasse a reinar.

O Modelo de Negócio

A Nuada tem aplicações em dois grandes mercados.

  • Indústria (B2B): Com um caminho regulatório simples, a startup irá vender diretamente a grandes industrias dos Estados Unidos e da Europa, começando com empresas que já estão em lista de espera. As primeiras vendas serão utilizadas para validação do mercado de forma a acelerar a distribuição e aumentar a notoriedade no mercado. Neste segmento, os trabalhadores de indústrias com trabalho manual exigente serão os utilizadores do produto e diretores da fábrica serão os decisores da compra.

  • Saúde (B2B2C): depois de entrar no segmento industrial, estarão prontas as certificações e processos para exploração do setor da saúde. Neste segmento, as pessoas com algum tipo de incapacidade na mão serão os utilizadores, enquanto os compradores poderão ser as mesmas pessoas, mas também os seus cuidadores ou prestadores de saúde. Na saúde, o produto será distribuído em centros de saúde ou outras entidades especializadas de forma a garantir que estas pessoas gerem a relação com o consumidor final, que inclui o ajuste do produto e a sua manutenção. No futuro, a empresa está a considerar vender diretamente ao público online mas, isso acontecera numa segunda fase, de forma a minimizar riscos e esclaar mais rapidamente.

No futuro, o produto também poderá ser utilizado por praticantes de desporto e fisioterapeutas, permitindo perceber se um determinado plano de treino ou recuperação está a ser executado da melhor forma.

Em 2018, a Nuada garantiu um financiamento de 1,7 milhões de euros no âmbito do projeto-piloto Accelerator do Conselho Europeu da Inovação (CEI).

As principais fontes de receita da empresa serão:

  • Equipamento: o preço de venda de €1.500 inclui uma boa margem para o distribuidor (este preço diminuirá com economias de escala da produção em massa).

  • Taxa de manutenção do equipamento: € 150 por ano após o segundo ano.

  • Custo de subscrição mensal do software: € 5 por mês.

A empresa está a concorrer com luvas eletromecânicas num mercado global emergente com apenas dois concorrentes relevantes – SEM glove e NASA/GM. A luva NUADA é mais leve, mais pequena, mais barata, mais inteligente e mais eficiente energeticamente do que ambos, o que garante uma relação qualidade-preço melhor para o seu utilizador/comprador, tornando o produto altamente competitivo.

Trajetória

A ideia para a criação da tecnologia surgiu depois de Filipe Quinaz ter fraturado a mão numa aula de jiu-jitsu. A inspiração nasceu daquilo que o empreendedor experienciou com a lesão: a diminuição da força neste membro tinha muitas consequências no seu quotidiano e o tempo de recuperação até voltar a ganhar a funcionalidade total do membro foi demasiado longo — cerca de 11 meses.

Durante esse período, no qual estava a tirar o doutoramento em Biomedicina, na Universidade da Beira Interior, criou um protótipo com a ajuda de dois professores do que seria, no futuro, esta solução. Com o protótipo participou no concurso tecnológico Microsoft Imagine Cup. Em 2014, ganhou a edição europeia do concurso, tendo chegado à final mundial, para a qual só eram selecionadas dez equipas em todo o mundo.

Em 2015, participou no Startup Braga e foi por esta altura, já com a luva patenteada, que criou a sua própria empresa. Nessa altura, o produto começou a ser desenvolvido com parceiros portugueses.

A empresa está também representada nos Estados Unidos, num programa de aceleração denominado UTEN, com a Universidade do Texas.

Em 2016/2017, foi selecionada para o programa de aceleração HAX hardware, pelo qual ganhou um programa de 4 meses em Shenzhen, China. Também em 2017, a empresa fechou duas rondas de investimento, uma delas com uma empresa americana de Silicon Valley.

Em 2018, a empresa saiu vencedora do StartJLM (um concurso de pitch da Startup Jerusalém), tendo representado Portugal no programa de aceleração e no final da competição na cidade israelita. No mesmo ano, ganharam o prémio EUtop50, entregue no Parlamento Europeu.

Sem grandes esforços de marketing, têm uma lista de mais de 300 empresas (como a ElectroLux, Siemens, Volkswagen, Airbus, Skoda Auto, entre outras) que tentaram comprar a luva ou pediram um piloto. Algumas destas empresas transformaram-se em parceiros.

Neste momento, estão em fase de expansão para garantir que os protótipos e produtos refletem o que o mercado global pretende, de forma a evitar limitações a nível regional. A prova de conceito mais importante é com a Auto-Europa, a fábrica da Volkswagen em Portugal, onde estão a testar o produto e a desenvolver novas especificações de forma a cumprir os requisitos da empresa. As várias equipas estão altamente comprometidas com o projeto de forma a escalar para o grupo Volkswagen a nível mundial.

No setor da saúde, a empresa já recebeu mais de 1000 contactos de pessoas individuais para tentar resolver as suas limitações. As suas necessidades estão perfeitamente alinhadas com as funcionalidades da luva, bem como com o preço de venda atual.

Têm mais de 10 distribuidores em lista de espera que terão um papel muito importante na expansão de mercado.

Rating Promotor: B-

Garantias

Investimento a fundo perdido da Comissão Europeia - pagamento intermédio de € 687.750 que será efetuado até dezembro de 2020 será utilizado pela empresa para pagar o empréstimo.

Nuada, LDA

Ativo desde
2015
País fiscal
Portugal
Com operações em
Braga e Porto
Indústria
Tecnologia
Empréstimos GoParity
1
Sobre Nuada, LDA

A NUADA é uma empresa portuguesa, fundada em 2015, para assegurar o desenvolvimento e exploração comercial da luva NUADA, um exoesqueleto inteligente. A empresa já recebeu vários prémios ao longo dos anos com o seu produto modelo.

A equipa NUADA é composta por 11 pessoas com perfis multidisciplinares e com um conjunto de competências que permitirão à empresa atingir os seus objetivos.

Filipe Quinaz (Chief Executive Officer). Mestrado em Engenharia Informática e estudante de doutoramenteo em Biomedicina, na Universidade da Beira Interior.

Vitor Crespo (Chief Sales Officer). Empreendedor no setor da saúde, com mais de 20 anos de experiência em multinacionais, durante os quais desenvolveu competências de gestão, vendas, captção de investimento e distribuição.

Fernando Nogueira (Chief Product Officer). Engenheiro eletrónico com duas pós-graduações em Design de Produto e Gestão Industrial. Tem uma vasta experiência profissional em desenvolvimento de produto.

A equipa é ainda composta pela Carolina Amorim (Project Manager), Rita Faro (Regulatory Affairs), um bio-engenheiro, dois software developers e um engenheiro eletronico. Além disso, é apiada por um grupo de advisors com larga experiência em áreas como Desenvolvimento de Produto, Hardware, produção, software, têxtil, mercados industriais, financiamento e setor da saúde. São líderes de grandes empresas, grupos universitários e estruturas de Venture Capital que irão garantir que a equipa tem inputs de especialistas para os próximos desafios.

Porquê o nome Nuada?

Nuada é o nome do rei dos deuses na mitologia celta. Durante uma batalha terá perdido o braço ou a mão. Ao perder a mão, deixou de ser um deus perfeito e, por isto, teve de abdicar do seu trono. Quem o substituiu foi um outro deus, muito mau, que colocou a humanidade em perigo. Para que Nuada voltasse a ocupar o trono, fizeram-lhe uma prótese do membro em prata, que permitiu que este voltasse a reinar.

O Modelo de Negócio

A Nuada tem aplicações em dois grandes mercados.

  • Indústria (B2B): Com um caminho regulatório simples, a startup irá vender diretamente a grandes industrias dos Estados Unidos e da Europa, começando com empresas que já estão em lista de espera. As primeiras vendas serão utilizadas para validação do mercado de forma a acelerar a distribuição e aumentar a notoriedade no mercado. Neste segmento, os trabalhadores de indústrias com trabalho manual exigente serão os utilizadores do produto e diretores da fábrica serão os decisores da compra.

  • Saúde (B2B2C): depois de entrar no segmento industrial, estarão prontas as certificações e processos para exploração do setor da saúde. Neste segmento, as pessoas com algum tipo de incapacidade na mão serão os utilizadores, enquanto os compradores poderão ser as mesmas pessoas, mas também os seus cuidadores ou prestadores de saúde. Na saúde, o produto será distribuído em centros de saúde ou outras entidades especializadas de forma a garantir que estas pessoas gerem a relação com o consumidor final, que inclui o ajuste do produto e a sua manutenção. No futuro, a empresa está a considerar vender diretamente ao público online mas, isso acontecera numa segunda fase, de forma a minimizar riscos e esclaar mais rapidamente.

No futuro, o produto também poderá ser utilizado por praticantes de desporto e fisioterapeutas, permitindo perceber se um determinado plano de treino ou recuperação está a ser executado da melhor forma.

Em 2018, a Nuada garantiu um financiamento de 1,7 milhões de euros no âmbito do projeto-piloto Accelerator do Conselho Europeu da Inovação (CEI).

As principais fontes de receita da empresa serão:

  • Equipamento: o preço de venda de €1.500 inclui uma boa margem para o distribuidor (este preço diminuirá com economias de escala da produção em massa).

  • Taxa de manutenção do equipamento: € 150 por ano após o segundo ano.

  • Custo de subscrição mensal do software: € 5 por mês.

A empresa está a concorrer com luvas eletromecânicas num mercado global emergente com apenas dois concorrentes relevantes – SEM glove e NASA/GM. A luva NUADA é mais leve, mais pequena, mais barata, mais inteligente e mais eficiente energeticamente do que ambos, o que garante uma relação qualidade-preço melhor para o seu utilizador/comprador, tornando o produto altamente competitivo.

Trajetória

A ideia para a criação da tecnologia surgiu depois de Filipe Quinaz ter fraturado a mão numa aula de jiu-jitsu. A inspiração nasceu daquilo que o empreendedor experienciou com a lesão: a diminuição da força neste membro tinha muitas consequências no seu quotidiano e o tempo de recuperação até voltar a ganhar a funcionalidade total do membro foi demasiado longo — cerca de 11 meses.

Durante esse período, no qual estava a tirar o doutoramento em Biomedicina, na Universidade da Beira Interior, criou um protótipo com a ajuda de dois professores do que seria, no futuro, esta solução. Com o protótipo participou no concurso tecnológico Microsoft Imagine Cup. Em 2014, ganhou a edição europeia do concurso, tendo chegado à final mundial, para a qual só eram selecionadas dez equipas em todo o mundo.

Em 2015, participou no Startup Braga e foi por esta altura, já com a luva patenteada, que criou a sua própria empresa. Nessa altura, o produto começou a ser desenvolvido com parceiros portugueses.

A empresa está também representada nos Estados Unidos, num programa de aceleração denominado UTEN, com a Universidade do Texas.

Em 2016/2017, foi selecionada para o programa de aceleração HAX hardware, pelo qual ganhou um programa de 4 meses em Shenzhen, China. Também em 2017, a empresa fechou duas rondas de investimento, uma delas com uma empresa americana de Silicon Valley.

Em 2018, a empresa saiu vencedora do StartJLM (um concurso de pitch da Startup Jerusalém), tendo representado Portugal no programa de aceleração e no final da competição na cidade israelita. No mesmo ano, ganharam o prémio EUtop50, entregue no Parlamento Europeu.

Sem grandes esforços de marketing, têm uma lista de mais de 300 empresas (como a ElectroLux, Siemens, Volkswagen, Airbus, Skoda Auto, entre outras) que tentaram comprar a luva ou pediram um piloto. Algumas destas empresas transformaram-se em parceiros.

Neste momento, estão em fase de expansão para garantir que os protótipos e produtos refletem o que o mercado global pretende, de forma a evitar limitações a nível regional. A prova de conceito mais importante é com a Auto-Europa, a fábrica da Volkswagen em Portugal, onde estão a testar o produto e a desenvolver novas especificações de forma a cumprir os requisitos da empresa. As várias equipas estão altamente comprometidas com o projeto de forma a escalar para o grupo Volkswagen a nível mundial.

No setor da saúde, a empresa já recebeu mais de 1000 contactos de pessoas individuais para tentar resolver as suas limitações. As suas necessidades estão perfeitamente alinhadas com as funcionalidades da luva, bem como com o preço de venda atual.

Têm mais de 10 distribuidores em lista de espera que terão um papel muito importante na expansão de mercado.

Rating Promotor: B-

Garantias

Investimento a fundo perdido da Comissão Europeia - pagamento intermédio de € 687.750 que será efetuado até dezembro de 2020 será utilizado pela empresa para pagar o empréstimo.

Estado dos Pagamentos: Em cumprimento

2020-09-10

Primeiro pagamento

A primeira amortização foi paga a todos os investidores

2020-07-29

100% financiado e aumento do objetivo para 150.000€

Depois de ter angariado 100.000€ em pouco mais de 48h, a startup portuguesa Nuada decidiu aumentar o montante da sua campanha de financiamento em 50.000€, até 150.000€. Todas as condições permanecem intactas, assim como a data final da campanha.

2020-07-17

Aberto para investimento

Estado dos Pagamentos: Em cumprimento

2020-09-10

Primeiro pagamento

A primeira amortização foi paga a todos os investidores

2020-07-29

100% financiado e aumento do objetivo para 150.000€

Depois de ter angariado 100.000€ em pouco mais de 48h, a startup portuguesa Nuada decidiu aumentar o montante da sua campanha de financiamento em 50.000€, até 150.000€. Todas as condições permanecem intactas, assim como a data final da campanha.

2020-07-17

Aberto para investimento