Projetos

Vinhos Damasceno Setúbal

100% Montante confirmado = € 25.000,00
Montante reservado = € 0,00
€ 25.000,00
100% Financiado
12 mth

Prazo

4.4%

TANB

11 mth

Período de Carência

mensal

periodicidade

B-

rating

rural_development

Desenvolvimento rural

2. Acabar com a Fome

SDG 2. Acabar com a Fome

12. Produção e Consumo Sustentáveis

SDG 12. Produção e Consumo Sustentáveis

Empréstimo de tesouraria a produtor de vinho de Setúbal.

Impacto

Produção sustentável

  • Toda a produção é efetuada em regime de produção integrada, ou seja, o sistema agrícola de produção é baseado em boas práticas agrícolas, com gestão racional dos recursos naturais e privilegiando a utilização dos mecanismos de regulação natural em substituição de fatores de produção, contribuindo, deste modo, para uma agricultura sustentável. A empresa Certis é responsável pela auditoria anual e emissão do respetivo certificado.

  • Apenas são utilizados produtos homologados/certificados que respeitam as normas impostas pelo Ministério da Agricultura em termos ambientais.

  • Preservação e melhoria da fertilidade do solo e da biodiversidade, através da utilização de sensores de controlo de humidade para minimizar o consumo de água e evitar o stress hídrico das vinhas.

Promoção da igualdade de género

70% da força laboral é composta por mulheres e a administradora única é mulher.

Promoção de emprego sustentável

Sendo esta uma atividade com uma forte componente sazonal, durante os períodos com menor volume de trabalho, o promotor estimula a formação profissional dos seus colaboradores com aulas de gestão agrícola, manuseamento e aplicação de produtos, produção biológica, etc.

Desenvolvimento local

O promotor tem duas pessoas nos quadros e fazem parte da equipa de campo 5 pessoas que trabalham na família há cerca de 30 anos. Apesar de se tratarem de colaboradores que prestam serviço à empresa, fazem parte do quadro de uma empresa unipessoal da região, que também tem vinhas e cuja produção é toda destinada à Adega de Pegões. Desta forma, dividem recurso para obter melhores sinergias e resultados. Adicionalmente, têm um “rancho” (o nome que se designa as pessoas contratadas para a poda e vindima manual).

Informação do Projeto

A história dos Vinhos Damasceno começa em 1870 na localidade de Poceirão, concelho de Palmela, com o nascimento de Domingos Damasceno de Carvalho, que mais tarde, viria a dar o nome aos vinhos.

Em 2013, é lançada a primeira colheita sob forma de vinho engarrafado IGP (Indicação Geográfica Protegida) e D.O. (Denominação de Origem) sob a designação de Damasceno, no seguimento da entrada de capital do promotor do projeto (Financipe) numa empresa que era, até então, familiar.

Atualmente, a empresa explora três propriedades entre Palmela e Pegões, na região da Península de Setúbal, com 25 hectares de vinhedos. 2021 será um ano importante já que a empresa irá dar início à exploração de mais 20 hectares, em regime de arrendamento, de forma a aumentar a produção de uva para produção de vinhos comuns e, consequentemente, incrementar o seu volume de negócios.

Toda a produção é feita em regime de produção integrada, tendo por base boas práticas agrícolas e a gestão racional dos recursos naturais.

A empresa produz cerca de 300 toneladas de uva, das quais apenas 30% são utilizados para produção própria, sendo as uvas excedentárias vendidas a outros produtores de vinho, sendo o mais relevante a Casa Ermelinda Freitas.

Viabilidade Financeira

Os fundos angariados através desta campanha serão utilizados como empréstimo de tesouraria até que a Casa Ermelinda Freitas efetue o pagamento integral pelas uvas excedentárias que lhe são fornecidas anualmente, o que ocorre em dezembro de cada ano.

100% Financiado
12 mth

Prazo

4.4%

TANB

11 mth

Período de Carência

mensal

periodicidade

B-

rating

rural_development

Desenvolvimento rural

2. Acabar com a Fome

SDG 2. Acabar com a Fome

12. Produção e Consumo Sustentáveis

SDG 12. Produção e Consumo Sustentáveis

Empréstimo de tesouraria a produtor de vinho de Setúbal.

100% Montante confirmado = € 25.000,00
Montante reservado = € 0,00
€ 25.000,00

Impacto

Produção sustentável

  • Toda a produção é efetuada em regime de produção integrada, ou seja, o sistema agrícola de produção é baseado em boas práticas agrícolas, com gestão racional dos recursos naturais e privilegiando a utilização dos mecanismos de regulação natural em substituição de fatores de produção, contribuindo, deste modo, para uma agricultura sustentável. A empresa Certis é responsável pela auditoria anual e emissão do respetivo certificado.

  • Apenas são utilizados produtos homologados/certificados que respeitam as normas impostas pelo Ministério da Agricultura em termos ambientais.

  • Preservação e melhoria da fertilidade do solo e da biodiversidade, através da utilização de sensores de controlo de humidade para minimizar o consumo de água e evitar o stress hídrico das vinhas.

Promoção da igualdade de género

70% da força laboral é composta por mulheres e a administradora única é mulher.

Promoção de emprego sustentável

Sendo esta uma atividade com uma forte componente sazonal, durante os períodos com menor volume de trabalho, o promotor estimula a formação profissional dos seus colaboradores com aulas de gestão agrícola, manuseamento e aplicação de produtos, produção biológica, etc.

Desenvolvimento local

O promotor tem duas pessoas nos quadros e fazem parte da equipa de campo 5 pessoas que trabalham na família há cerca de 30 anos. Apesar de se tratarem de colaboradores que prestam serviço à empresa, fazem parte do quadro de uma empresa unipessoal da região, que também tem vinhas e cuja produção é toda destinada à Adega de Pegões. Desta forma, dividem recurso para obter melhores sinergias e resultados. Adicionalmente, têm um “rancho” (o nome que se designa as pessoas contratadas para a poda e vindima manual).

Informação do Projeto

A história dos Vinhos Damasceno começa em 1870 na localidade de Poceirão, concelho de Palmela, com o nascimento de Domingos Damasceno de Carvalho, que mais tarde, viria a dar o nome aos vinhos.

Em 2013, é lançada a primeira colheita sob forma de vinho engarrafado IGP (Indicação Geográfica Protegida) e D.O. (Denominação de Origem) sob a designação de Damasceno, no seguimento da entrada de capital do promotor do projeto (Financipe) numa empresa que era, até então, familiar.

Atualmente, a empresa explora três propriedades entre Palmela e Pegões, na região da Península de Setúbal, com 25 hectares de vinhedos. 2021 será um ano importante já que a empresa irá dar início à exploração de mais 20 hectares, em regime de arrendamento, de forma a aumentar a produção de uva para produção de vinhos comuns e, consequentemente, incrementar o seu volume de negócios.

Toda a produção é feita em regime de produção integrada, tendo por base boas práticas agrícolas e a gestão racional dos recursos naturais.

A empresa produz cerca de 300 toneladas de uva, das quais apenas 30% são utilizados para produção própria, sendo as uvas excedentárias vendidas a outros produtores de vinho, sendo o mais relevante a Casa Ermelinda Freitas.

Viabilidade Financeira

Os fundos angariados através desta campanha serão utilizados como empréstimo de tesouraria até que a Casa Ermelinda Freitas efetue o pagamento integral pelas uvas excedentárias que lhe são fornecidas anualmente, o que ocorre em dezembro de cada ano.

Financipe - Gestão e Património

Ativo desde
2003
País fiscal
Portugal
Com operações em
Setúbal 
Indústria
Produção de vinhos comuns e bebidas espirituosas
Empréstimos GoParity
1
Sobre Financipe - Gestão e Património

A história dos Vinhos Damasceno começou há mais de um século quando o agricultor Domingos Carvalho se instalou na localidade de Poceirão, região de Setúbal e aí ergueu uma herdade de 600 hectares, designada Herdade dos Carvalhos, onde mandou plantar vinhedos para deles extrair o melhor vinho que aqueles solos arenosos pudessem originar.

Em 2003, pela primeira vez, a colheita foi engarrafada sob a designação de Domingos Damasceno de Carvalho, sendo os vinhos vendidos a granel, até então.

Em 2012, após entrada de capital da Financipe, a empresa promotora do projeto, a marca renasce com uma nova imagem, novo investimento e uma aposta forte em fazer crescer um negócio com história numa das regiões vitivinícolas mais antigas de Portugal. Atualmente, a empresa é detentora das marcas do universo “Damasceno”, é nela que se concentra toda a atividade e é através dela que se prevê aumentar a capacidade de produção de uvas e vinho (a granel e engarrafado).

É também desde essa altura que o enólogo António Saramago assegura a qualidade dos vinhos numa adega com a mais recente tecnologia.

Nos 23 hectares de vinha, para além das castas mais tradicionais da região, como o Moscatel, o Moscatel Roxo e o Castelão, o promotor tem produção própria de uvas tintas como a Touriga Nacional, Alicante Bouschet e Merlot. Nas castas brancas produz Chardonnay, Antão Vaz, Arinto, Fernão Pires, Verdelho e Viognier.

Nos 20 hectares que passarão a ser explorados a partir de 2021, será dada primazia à plantação de castas nacionais.

O Modelo de Negócio

Anualmente, a empresa produz cerca de 300 toneladas de uva de qualidade. Parte desta produção destina-se à produção de vinho próprio que é vendido sob as marcas Nocturno (gama de entrada), Damasceno (premium) e, mais recentemente, D.Pedro V (super-premium). O excedente da uva é vendido a outros produtores de vinho, nomeadamente à Casa Ermelinda Freitas.

Em 2018, apenas 30% das uvas produzidas foram vinificadas o que confere ao promotor um enorme potencial de crescimento e segurança para o desenvolvimento futuro da empresa.

Portugal é o mercado mais relevante, absorvendo 60% da produção, sendo que, nos últimos anos, a aposta na internacionalização tem sido muito bem-sucedida, com o Dubai e a Dinamarca a representarem os principais mercados de exportação. Adicionalmente, a empresa exporta também para a Suíça, Holanda, Japão, Brasil, Alemanha, Reino Unido e China.

O crescimento da empresa tem assentado em nichos de mercado – garrafeiras e canal Horeca - em detrimento da Grande Distribuição.

Trajetória

A história dos Vinhos Damasceno remonta a meados do século XIX quando o avô de Domingos Damasceno de Carvalho, Domingos Carvalho, adquire uma propriedade de cerca de 600 hectares (designada por Herdade dos Carvalho) no Concelho de Palmela, distrito de Setúbal. A ela junta, mais tarde, uma outra herdade (designada por Herdade da Reforma). Esta região, tradicionalmente vitivinícola desde o tempo dos romanos, é também uma importante reserva florestal, essencialmente ocupada por sobreiros.

Nas areias da Península de Setúbal, Domingos Carvalho inicia uma exploração agrícola onde manda plantar vinhas que possam produzir os melhores vinhos da região.

Com a sua morte, os filhos dividem os bens e a herdade. Deles, destaca-se o primeiro filho, José, que consegue aumentar consideravelmente as produções de azeite e de vinho. José casa-se com Maria Damasceno com quem tem cinco filhos.

Quando José morre, Domingos Damasceno de Carvalho (o seu filho mais velho) torna-se administrador financeiro da Herdade, que explora em conjunto com os seus três irmãos.

Em 2012, a Financipe adquire as marcas e a marca renasce com uma nova imagem e nesse mesmo ano é lançada a primeira colheita sob a designação “Damasceno”.

Em 2014, a quinta foi restaurada, dispondo de um espaço para realização de eventos.

Em maio de 2018, a Financipe faz um reforço de capital para financiar o crescimento da empresa com uma estrutura acionista sólida, gestores apaixonados por viticultura e um dos melhores enólogos de Portugal, e investe na recuperação de uma velha quinta que passa a ser o centro da sua atividade.

Atualmente, o promotor explora três propriedades entre Palmela e Pegões, na região da Península de Setúbal.

  • Vinha das Pedras Negras: na Zona das Serralheiras, com área total de 8 hectares, produz uvas de casta branca e tinta.

  • Vinha da Agualva: situada em Águas de Moura, com área total de 6 hectares, produz uvas de castas brancas e tintas.

  • Vinha de Pegões: situada na zona de Pegões, com área de 13 hectares, destina-se única e exclusivamente à produção de uvas de castas brancas.

Têm sido vários os prémios alcançados pelos vinhos a nível nacional e internacional, nomeadamente no International Wince Challenge e Decanter World Wine Awards em Londres e Challenge International du Vin, em Bordéus.

Rating Promotor: B-

Garantias

Fiança dos sócios: Mário Franclim Assis Lobo e Enoinveste Global, S.A.

Financipe - Gestão e Património

Ativo desde
2003
País fiscal
Portugal
Com operações em
Setúbal 
Indústria
Produção de vinhos comuns e bebidas espirituosas
Empréstimos GoParity
1
Sobre Financipe - Gestão e Património

A história dos Vinhos Damasceno começou há mais de um século quando o agricultor Domingos Carvalho se instalou na localidade de Poceirão, região de Setúbal e aí ergueu uma herdade de 600 hectares, designada Herdade dos Carvalhos, onde mandou plantar vinhedos para deles extrair o melhor vinho que aqueles solos arenosos pudessem originar.

Em 2003, pela primeira vez, a colheita foi engarrafada sob a designação de Domingos Damasceno de Carvalho, sendo os vinhos vendidos a granel, até então.

Em 2012, após entrada de capital da Financipe, a empresa promotora do projeto, a marca renasce com uma nova imagem, novo investimento e uma aposta forte em fazer crescer um negócio com história numa das regiões vitivinícolas mais antigas de Portugal. Atualmente, a empresa é detentora das marcas do universo “Damasceno”, é nela que se concentra toda a atividade e é através dela que se prevê aumentar a capacidade de produção de uvas e vinho (a granel e engarrafado).

É também desde essa altura que o enólogo António Saramago assegura a qualidade dos vinhos numa adega com a mais recente tecnologia.

Nos 23 hectares de vinha, para além das castas mais tradicionais da região, como o Moscatel, o Moscatel Roxo e o Castelão, o promotor tem produção própria de uvas tintas como a Touriga Nacional, Alicante Bouschet e Merlot. Nas castas brancas produz Chardonnay, Antão Vaz, Arinto, Fernão Pires, Verdelho e Viognier.

Nos 20 hectares que passarão a ser explorados a partir de 2021, será dada primazia à plantação de castas nacionais.

O Modelo de Negócio

Anualmente, a empresa produz cerca de 300 toneladas de uva de qualidade. Parte desta produção destina-se à produção de vinho próprio que é vendido sob as marcas Nocturno (gama de entrada), Damasceno (premium) e, mais recentemente, D.Pedro V (super-premium). O excedente da uva é vendido a outros produtores de vinho, nomeadamente à Casa Ermelinda Freitas.

Em 2018, apenas 30% das uvas produzidas foram vinificadas o que confere ao promotor um enorme potencial de crescimento e segurança para o desenvolvimento futuro da empresa.

Portugal é o mercado mais relevante, absorvendo 60% da produção, sendo que, nos últimos anos, a aposta na internacionalização tem sido muito bem-sucedida, com o Dubai e a Dinamarca a representarem os principais mercados de exportação. Adicionalmente, a empresa exporta também para a Suíça, Holanda, Japão, Brasil, Alemanha, Reino Unido e China.

O crescimento da empresa tem assentado em nichos de mercado – garrafeiras e canal Horeca - em detrimento da Grande Distribuição.

Trajetória

A história dos Vinhos Damasceno remonta a meados do século XIX quando o avô de Domingos Damasceno de Carvalho, Domingos Carvalho, adquire uma propriedade de cerca de 600 hectares (designada por Herdade dos Carvalho) no Concelho de Palmela, distrito de Setúbal. A ela junta, mais tarde, uma outra herdade (designada por Herdade da Reforma). Esta região, tradicionalmente vitivinícola desde o tempo dos romanos, é também uma importante reserva florestal, essencialmente ocupada por sobreiros.

Nas areias da Península de Setúbal, Domingos Carvalho inicia uma exploração agrícola onde manda plantar vinhas que possam produzir os melhores vinhos da região.

Com a sua morte, os filhos dividem os bens e a herdade. Deles, destaca-se o primeiro filho, José, que consegue aumentar consideravelmente as produções de azeite e de vinho. José casa-se com Maria Damasceno com quem tem cinco filhos.

Quando José morre, Domingos Damasceno de Carvalho (o seu filho mais velho) torna-se administrador financeiro da Herdade, que explora em conjunto com os seus três irmãos.

Em 2012, a Financipe adquire as marcas e a marca renasce com uma nova imagem e nesse mesmo ano é lançada a primeira colheita sob a designação “Damasceno”.

Em 2014, a quinta foi restaurada, dispondo de um espaço para realização de eventos.

Em maio de 2018, a Financipe faz um reforço de capital para financiar o crescimento da empresa com uma estrutura acionista sólida, gestores apaixonados por viticultura e um dos melhores enólogos de Portugal, e investe na recuperação de uma velha quinta que passa a ser o centro da sua atividade.

Atualmente, o promotor explora três propriedades entre Palmela e Pegões, na região da Península de Setúbal.

  • Vinha das Pedras Negras: na Zona das Serralheiras, com área total de 8 hectares, produz uvas de casta branca e tinta.

  • Vinha da Agualva: situada em Águas de Moura, com área total de 6 hectares, produz uvas de castas brancas e tintas.

  • Vinha de Pegões: situada na zona de Pegões, com área de 13 hectares, destina-se única e exclusivamente à produção de uvas de castas brancas.

Têm sido vários os prémios alcançados pelos vinhos a nível nacional e internacional, nomeadamente no International Wince Challenge e Decanter World Wine Awards em Londres e Challenge International du Vin, em Bordéus.

Rating Promotor: B-

Garantias

Fiança dos sócios: Mário Franclim Assis Lobo e Enoinveste Global, S.A.

Estado dos Pagamentos: Em cumprimento

2021-03-02

Atualização sobre o projeto

O promotor informou que os fundos estão a ser aplicados de acordo com a projeção inicial e que, em termos operacionais, estão na fase de pode e aplicação de produtos orgânicos nas vinhas. 

2021-02-04

Primeiro pagamento

A primeira amortização foi paga a todos os investidores

2021-01-01

100% financiado

158 investidores angariaram 25.000€

2020-12-24

Aberto a investimento

Esta campanha está aberta para investimento

Estado dos Pagamentos: Em cumprimento

2021-03-02

Atualização sobre o projeto

O promotor informou que os fundos estão a ser aplicados de acordo com a projeção inicial e que, em termos operacionais, estão na fase de pode e aplicação de produtos orgânicos nas vinhas. 

2021-02-04

Primeiro pagamento

A primeira amortização foi paga a todos os investidores

2021-01-01

100% financiado

158 investidores angariaram 25.000€

2020-12-24

Aberto a investimento

Esta campanha está aberta para investimento