Projetos

Cacau Orgânico do Peru

100% Montante confirmado = € 100.000,00
Montante reservado = € 0,00
€ 100.000,00
100% Financiado
6 mth

Prazo

5%

TANB

semestral

periodicidade

B+

rating

rural_development

Desenvolvimento rural

2. Acabar com a Fome

SDG 2. Acabar com a Fome

8. Trabalho Digno e Crescimento Económico

SDG 8. Trabalho Digno e Crescimento Económico

11. Cidades e comunidades sustentáveis

SDG 11. Cidades e comunidades sustentáveis

Pequenos produtores de cacau orgânico no Peru.

Impacto

Impacto do projeto:

  • Promoção de uma cadeia de valor inclusiva que junta 3.000 produtores locais que passam a ter acesso a mais mercados nacionais e internacionais.

  • Melhores condições financeiras e de trabalho para pequenos produtores, que detêm menos de 2 hectares de terra.

  • Redução de pobreza rural: com uma margem de lucro mais elevada, os pequenos agricultores podem utilizá-la não apenas para sua subsistência.

  • Contribuição para a missão social da empresa: ao garantir pagamentos antecipados a um preço premium à empresa agregadora, esta consegue reinvestir o dinheiro das vendas em formação, educação, apoio social aos agricultores e suas famílias, apoio nos cuidados de saúde e na certificação do cacau como produto orgânico e de comércio justo.

  • Promoção de igualdade de género: a empresa é detida inteiramente por uma mulher, que também é a CEO, e que gere uma equipa sénior com experiência

  • Incentivo ao crescimento de produtos orgânicos: todo o cacau produzido é orgânico e certificado por uma entidade terceira.

  • Incentivo à redução de mão de obra escrava infantil: a certificação como produto orgânico garante que todo o processo de produção e comercialização está livre de mão de obra infantil, não havendo tolerância para práticas de trabalho abusivas.

  • Contribuição para a proteção da região no Norte do Perú: o grão de cacau cresce em florestas e sistemas agroflorestais, ajudando a enriquecer os solos e evitando a sua erosão.

Informação do Projeto

O objetivo desta campanha é fornecer financiamento à produção e exportação para um comércio justo, certificado, gerido e detido por uma mulher, agregador, processador, vendedor local e exportador de cacau, operando com mais de 3.000 produtores locais nas regiões Norte de Cajamarca, San Martín e Amazónia, e da região central de Huánuco – as quatro regiões produzem coletivamente 55% da produção peruana total anual de cacau, de cerca de 23.400 toneladas por ano.

A empresa, que está localizada em Tarapoto (San Martin), tem 10% da quota de mercado do Peru, sendo o terceiro maior produtor de grão de café no país. A sua visão é melhorar a qualidade de vida dos seus agricultores associados, oferecendo-lhes formação e assistência técnica, e ser reconhecida pela comunidade local e internacional como um fornecedor ético e de confiança de produtos de elevada qualidade. Esta visão é reforçada por várias certificações, das quais se destacam a Fair Trade (Comércio Justo) e USDA Organic (café orgânico).

A certificação de comércio justo é particularmente relevante, pois coloca a empresa no grupo restrito dos 13% de produtores de cacau que a obtiveram (num grupo e 33 milhões). Esta certificação garante que nenhuma parte do processo de produção utiliza mão de obra escrava de crianças e é particularmente rigorosa mantendo inspeções anuais em todas as quintas, com tolerância zero para práticas abusivas de trabalho.

O Peru é o sexto maior produtor de cacau a nível mundial, o segundo maior produtor de cacau orgânico (depois da República Dominicana) e o principal produtor de cacau orgânico de comércio justo.

A procura global por cacau está a aumentar, e espera-se que a procura por cacau certificado aumente ainda mais na Europa nos próximos anos, uma consequência da tendência crescente pela procura de produtos certificados sustentáveis, ou seja, uma produção que se preocupa com aspetos sociais, ambientais e económicos, compromisso este certificado por entidades terceiras.

Há menos de 10 anos atrás, milhares de agricultores do Norte do Peru plantavam essencialmente folhas de coca nas suas terras. Embora as folhas de coca fornecessem um rendimento estável a regiões remotas, a colheita ilícita trouxe a violência do tráfico de drogas. O governo nacional, com o auxílio de governos locais e reginais e colaboração de iniciativas promovidas por doadores internacionais privados, foram convertendo estas produções em cacau (e café) e o Peru construiu uma reputação como produtor de grão de cacau cultivado de forma tradicional e com elevada qualidade.

Os fundos angariados através desta campanha serão utilizados como transactional working capital (capital circulante transacional), garantindo liquidez à empresa desde a fase de procurement até à fase de processamento e exportação.

Viabilidade financeira

O capital circulante transacional é um ativo financeiro de dívida de curto prazo que permitirá à empresa receber pagamentos antecipados e aos seus clientes atrasar os seus pagamentos.

É prática comum no comércio que o prazo de pagamento varie entre 30 a 90 dias a contar da data de emissão da fatura pelo vendedor. Este prazo, que permite ao comprador manter os seus fundos durante mais tempo, penaliza o vendedor, retirando-lhe liquidez. Geralmente, este problema é resolvido com recurso a financiamento bancário, que exige garantias sobre ativos duradouros (ou seja, fábricas, edifícios, máquinas, etc.) em caso de incumprimento. Estas garantias “excessivas” têm muitas vezes um valor substancialmente mais elevado do que o empréstimo em questão. Por exemplo, um empréstimo de 10 dólares poderá exigir um ativo no valor de 150 dólares como garantia em caso de incumprimento. Assim, estes empréstimos raramente resolvem o problema, uma vez que estas garantias raramente estão ao alcance dos pequenos agricultores, cujos únicos ativos são geralmente os seus terrenos.

O capital circulante resolver este problema, tendo as seguintes vantagens:

  • Liquidez para compra de matéria prima: o agregador/produtor passa a ter capacidade para comprar matérias prima para responder a novos pedidos de compra, sem ter de esperar pelo pagamento dos atuais compradores, o que lhe permite crescer o seu negócio.

  • Preços mais elevados: ao eliminar a pressão da liquidez, os produtores deixam de ser obrigados a fornecer descontos aos compradores, em troca de pagamento antecipado, recebendo um preço mais elevado pelo cacau certificado, que reflete o seu valor real.

  • Margem de lucro mais elevada que pode ser reinvestida: com uma margem de lucro mais elevada, este dinheiro garante não só a estabilidade financeira dos produtores, mas pode ser também utilizado para investimento em formação e capacitação, e em custos com a certificação de produção orgânica e de comércio justo.

A WCA tem um Seguro de Crédito Comercial concedido por uma seguradora global que opera em mais de 50 países. O pagamento está assim garantido por esta apólice, que protege os investidores GoParity em caso de incumprimento (ex. insolvência). As coberturas da apólice incluem perdas em caso de insolvência, Inadimplência prolongada e risco político até 90% do valor da transação comercial que é financiada pela WCA. Uma vez que a WCA fornece no máximo 80% de financiamento para qualquer transação, a apólice na sua essência cobre mais do que o financiamento global da WCA.

100% Financiado
6 mth

Prazo

5%

TANB

semestral

periodicidade

B+

rating

rural_development

Desenvolvimento rural

2. Acabar com a Fome

SDG 2. Acabar com a Fome

8. Trabalho Digno e Crescimento Económico

SDG 8. Trabalho Digno e Crescimento Económico

11. Cidades e comunidades sustentáveis

SDG 11. Cidades e comunidades sustentáveis

Pequenos produtores de cacau orgânico no Peru.

100% Montante confirmado = € 100.000,00
Montante reservado = € 0,00
€ 100.000,00

Impacto

Impacto do projeto:

  • Promoção de uma cadeia de valor inclusiva que junta 3.000 produtores locais que passam a ter acesso a mais mercados nacionais e internacionais.

  • Melhores condições financeiras e de trabalho para pequenos produtores, que detêm menos de 2 hectares de terra.

  • Redução de pobreza rural: com uma margem de lucro mais elevada, os pequenos agricultores podem utilizá-la não apenas para sua subsistência.

  • Contribuição para a missão social da empresa: ao garantir pagamentos antecipados a um preço premium à empresa agregadora, esta consegue reinvestir o dinheiro das vendas em formação, educação, apoio social aos agricultores e suas famílias, apoio nos cuidados de saúde e na certificação do cacau como produto orgânico e de comércio justo.

  • Promoção de igualdade de género: a empresa é detida inteiramente por uma mulher, que também é a CEO, e que gere uma equipa sénior com experiência

  • Incentivo ao crescimento de produtos orgânicos: todo o cacau produzido é orgânico e certificado por uma entidade terceira.

  • Incentivo à redução de mão de obra escrava infantil: a certificação como produto orgânico garante que todo o processo de produção e comercialização está livre de mão de obra infantil, não havendo tolerância para práticas de trabalho abusivas.

  • Contribuição para a proteção da região no Norte do Perú: o grão de cacau cresce em florestas e sistemas agroflorestais, ajudando a enriquecer os solos e evitando a sua erosão.

Informação do Projeto

O objetivo desta campanha é fornecer financiamento à produção e exportação para um comércio justo, certificado, gerido e detido por uma mulher, agregador, processador, vendedor local e exportador de cacau, operando com mais de 3.000 produtores locais nas regiões Norte de Cajamarca, San Martín e Amazónia, e da região central de Huánuco – as quatro regiões produzem coletivamente 55% da produção peruana total anual de cacau, de cerca de 23.400 toneladas por ano.

A empresa, que está localizada em Tarapoto (San Martin), tem 10% da quota de mercado do Peru, sendo o terceiro maior produtor de grão de café no país. A sua visão é melhorar a qualidade de vida dos seus agricultores associados, oferecendo-lhes formação e assistência técnica, e ser reconhecida pela comunidade local e internacional como um fornecedor ético e de confiança de produtos de elevada qualidade. Esta visão é reforçada por várias certificações, das quais se destacam a Fair Trade (Comércio Justo) e USDA Organic (café orgânico).

A certificação de comércio justo é particularmente relevante, pois coloca a empresa no grupo restrito dos 13% de produtores de cacau que a obtiveram (num grupo e 33 milhões). Esta certificação garante que nenhuma parte do processo de produção utiliza mão de obra escrava de crianças e é particularmente rigorosa mantendo inspeções anuais em todas as quintas, com tolerância zero para práticas abusivas de trabalho.

O Peru é o sexto maior produtor de cacau a nível mundial, o segundo maior produtor de cacau orgânico (depois da República Dominicana) e o principal produtor de cacau orgânico de comércio justo.

A procura global por cacau está a aumentar, e espera-se que a procura por cacau certificado aumente ainda mais na Europa nos próximos anos, uma consequência da tendência crescente pela procura de produtos certificados sustentáveis, ou seja, uma produção que se preocupa com aspetos sociais, ambientais e económicos, compromisso este certificado por entidades terceiras.

Há menos de 10 anos atrás, milhares de agricultores do Norte do Peru plantavam essencialmente folhas de coca nas suas terras. Embora as folhas de coca fornecessem um rendimento estável a regiões remotas, a colheita ilícita trouxe a violência do tráfico de drogas. O governo nacional, com o auxílio de governos locais e reginais e colaboração de iniciativas promovidas por doadores internacionais privados, foram convertendo estas produções em cacau (e café) e o Peru construiu uma reputação como produtor de grão de cacau cultivado de forma tradicional e com elevada qualidade.

Os fundos angariados através desta campanha serão utilizados como transactional working capital (capital circulante transacional), garantindo liquidez à empresa desde a fase de procurement até à fase de processamento e exportação.

Viabilidade financeira

O capital circulante transacional é um ativo financeiro de dívida de curto prazo que permitirá à empresa receber pagamentos antecipados e aos seus clientes atrasar os seus pagamentos.

É prática comum no comércio que o prazo de pagamento varie entre 30 a 90 dias a contar da data de emissão da fatura pelo vendedor. Este prazo, que permite ao comprador manter os seus fundos durante mais tempo, penaliza o vendedor, retirando-lhe liquidez. Geralmente, este problema é resolvido com recurso a financiamento bancário, que exige garantias sobre ativos duradouros (ou seja, fábricas, edifícios, máquinas, etc.) em caso de incumprimento. Estas garantias “excessivas” têm muitas vezes um valor substancialmente mais elevado do que o empréstimo em questão. Por exemplo, um empréstimo de 10 dólares poderá exigir um ativo no valor de 150 dólares como garantia em caso de incumprimento. Assim, estes empréstimos raramente resolvem o problema, uma vez que estas garantias raramente estão ao alcance dos pequenos agricultores, cujos únicos ativos são geralmente os seus terrenos.

O capital circulante resolver este problema, tendo as seguintes vantagens:

  • Liquidez para compra de matéria prima: o agregador/produtor passa a ter capacidade para comprar matérias prima para responder a novos pedidos de compra, sem ter de esperar pelo pagamento dos atuais compradores, o que lhe permite crescer o seu negócio.

  • Preços mais elevados: ao eliminar a pressão da liquidez, os produtores deixam de ser obrigados a fornecer descontos aos compradores, em troca de pagamento antecipado, recebendo um preço mais elevado pelo cacau certificado, que reflete o seu valor real.

  • Margem de lucro mais elevada que pode ser reinvestida: com uma margem de lucro mais elevada, este dinheiro garante não só a estabilidade financeira dos produtores, mas pode ser também utilizado para investimento em formação e capacitação, e em custos com a certificação de produção orgânica e de comércio justo.

A WCA tem um Seguro de Crédito Comercial concedido por uma seguradora global que opera em mais de 50 países. O pagamento está assim garantido por esta apólice, que protege os investidores GoParity em caso de incumprimento (ex. insolvência). As coberturas da apólice incluem perdas em caso de insolvência, Inadimplência prolongada e risco político até 90% do valor da transação comercial que é financiada pela WCA. Uma vez que a WCA fornece no máximo 80% de financiamento para qualquer transação, a apólice na sua essência cobre mais do que o financiamento global da WCA.

WCA (Working Capital Associates) LLP

Ativo desde
2018
País fiscal
Reino Unido
Com operações em
América Latina e África subsariana
Indústria
Investimento
Empréstimos GoParity
4
Sobre WCA (Working Capital Associates) LLP

A Working Capital Associates (WCA) é a única empresa de financiamento direto às cadeias de valor agrícolas provenientes da África Sub-Sariana e da América Latina fundada e gerida por uma mulher. A empresa segue uma abordagem de investimento que “permite aos investidores abordar questões ambientais, sociais e governamentais (ESG) investindo em soluções ligadas a questões como o investimento em energias renováveis, gestão de água e resíduos, silvicultura e agricultura sustentável, assim como produtos de saúde e financiamentos inclusivos” (PRI). A empresa tem duas grandes precoupações:

A WCA aplica também uma “lente de género” nos seus investimentos, no sentido em que procura financiar projetos liderados por mulheres ou que asseguram uma gestão sustentável e responsável que permita às mulheres crescer profissionalmente. O objetivo da empresa é promover o desenvolvimento das cadeias de valor através do financiamento de PMEs, num quadro de três Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS): ODS 2 – Erradicar a fome, atingir a segurança alimentar e promover a agricultura sustentável; ODS 12 – Assegurar padrões de consumo e produção sustentáveis e ODS 8 – Promover o crescimento sustentável e inclusivo da economia, o emprego e trabalho decente para todos.

A equipa é composta por dez profissionais, sendo que os membros executivos sénior têm mais de dez anos de experiência em mercados emergentes e/ou mercados financeiros que, no total, já financiaram mais de mil milhões de dólares em operações de dívida de curto prazo e em mercados emergentes.

Federica Sambiase – Cofundadora e CEO

Andrew Darling – Diretor de Operações e Estruturação

Jorge Luis Cerna Coronado – Encarregue das Relações na América Latina

Gathuo Njoroge - Encarregue das Relações na África Subsaariana

Alison Durrant

Alain Nsiona Defise – Membro não-executivo do Conselho de Administração

Gaëlle Bonnieux - Membro não-executivo do Conselho de Administração

Guido Boysen - Membro não-executivo do Conselho de Administração

Matteo Atti – Membro não-executivo do Conselho de Administração

A partir de janeiro de 2021 - Tineyi Mawocha – Membro não-executivo do Conselho de Administração

Pode saber mais sobre a equipa aqui.

O Modelo de Negócio

A WCA está sediada em Londres, e registada ao abrigo do Regulamento de Prevenção do Branqueamento de Capitais e Financiamento do Terrorismo de 2017. A WCA é uma empresa financeira, angariando fundos (sob forma de empréstimos e/ou de coinvestimentos, tradicionalmente, instituições de financiamento para o desenvolvimento, fundos de crédito ou investidores privados), que empresta depois a empresas nos seus mercados-alvo. As suas receitas provêm da margem de juro líquida entre os juros recebidos dos mutuários e os juros pagos aos investidores.

O mercado-alvo da empresa é constituído por 2 milhões de PMEs em África (1,6 milhões) e na América Latina (0,4 milhões) com limitações de financiamento. Especificamente, a empresa tem operações no Perú, Costa Rica, Colômbia, Equador, Quénia, Ruanda, Tanzânia e Etiópia, com preferência por cadeias de valor da indústria alimentar.

A empresa adapta os seus serviços às pequenas e médias empresas com dificuldades de financiamento – aproximadamente 58% dos pedidos de financiamento transacional são rejeitados pelos bancos apesar do setor, globalmente, representar 44% das propostas de financiamento transacional. Existem três razões específicas para que os bancos rejeitem uma tal percentagem de pedidos: requisitos KYC/AML impostos pelos reguladores demorados e complexos, requisitos de capital muito elevados de tal forma que o financiamento a curto-prazo às empresas com menos notação não é rentável; e limitações no capital dos bancos.

A WCA segue os Princípios para o Investimento Responsável baseado nos Dez Princípios do Compacto Global das Nações Unidas:

Para além disso, a WCA estabeleceu normas ESG relacionadas com investimentos em setores e produtos controversos. A empresa considera que certas indústrias, países e/ou setores não são compatíveis com os princípios da mesma, pelo que se abstém de financiar instituições que não estão alinhadas com o seu compromisso de sustentabilidade, como é o caso da indústria do tabaco.

Trajetória

A WCA foi fundada em 2018 por Federica Sambiase, uma profissional com experiência na indústria financeira que também é CEO da empresa, e que experienciou em primeira mão o modo como os bancos comerciais tradicionais estão adaptados às necessidades das PMEs, especialmente em regiões como a África Subsaariana e a América Latina, onde a necessidade de crédito está a aumentar rapidamente.

A visão da WCA combina os mais de 20 anos de experiência da Federica à sua paixão pela igualdade de género e pelo desenvolvimento, paixão amadurecida enquanto membro do Concelho de Administração da ONG Care International.

Atualmente, a WCA é constituída por uma equipa de dez pessoas, que ocupam cargos executivos e não executivos.

De julho a novembro de 2020 (os primeiros cinco meses do ano fiscal da WCA), a empresa implementou com sucesso programas de financiamento de cadeias agrícolas que contribuíram para a produção de mais de 400 toneladas de café sustentável certificado e 120 toneladas de cacau, com um valor total de mais de 2 milhões de dólares em acordos comerciais, tendo atingido USD 15,000 de receita.

À data de hoje, a empresa tem um portefólio de cerca de 5 milhões de dólares de financiamento na África Subsaariana e na América Latina, a ser implementados nos primeiros e segundo trimestres de 2020. Desde o seu lançamento, já executou mais de 1 milhão de dólares de financiamento a mais de dez fornecedores do setor agricultura de vários países, incluindo a Argentina, o Uruguai, a China, os Estados Unidos da América e a África do Sul. Todos os programas foram pagos de volta na sua totalidade.

A WCA foi igualmente reconhecida como um ator relevante na indústria, o que é demonstrado por:

1. Parceria com o Centro Internacional do Comércio das Nações Unidas, no contexto das suas atividades de apoio ao comércio centrado no género.

2. Parceria com a Câmara de Comércio do Quénia.

3. Convite para falar num painel no Fórum Mundial de Desenvolvimento do Comércio na Etiópia.

4. Convite para falar num painel na Semana da Sustentabilidade Suíça.

5. Convite para falar num painel na East Africa Coffee Annual Summit - Kenya.

Rating Promotor: B+

Garantias

WCA (Working Capital Associates) LLP

Ativo desde
2018
País fiscal
Reino Unido
Com operações em
América Latina e África subsariana
Indústria
Investimento
Empréstimos GoParity
4
Sobre WCA (Working Capital Associates) LLP

A Working Capital Associates (WCA) é a única empresa de financiamento direto às cadeias de valor agrícolas provenientes da África Sub-Sariana e da América Latina fundada e gerida por uma mulher. A empresa segue uma abordagem de investimento que “permite aos investidores abordar questões ambientais, sociais e governamentais (ESG) investindo em soluções ligadas a questões como o investimento em energias renováveis, gestão de água e resíduos, silvicultura e agricultura sustentável, assim como produtos de saúde e financiamentos inclusivos” (PRI). A empresa tem duas grandes precoupações:

A WCA aplica também uma “lente de género” nos seus investimentos, no sentido em que procura financiar projetos liderados por mulheres ou que asseguram uma gestão sustentável e responsável que permita às mulheres crescer profissionalmente. O objetivo da empresa é promover o desenvolvimento das cadeias de valor através do financiamento de PMEs, num quadro de três Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS): ODS 2 – Erradicar a fome, atingir a segurança alimentar e promover a agricultura sustentável; ODS 12 – Assegurar padrões de consumo e produção sustentáveis e ODS 8 – Promover o crescimento sustentável e inclusivo da economia, o emprego e trabalho decente para todos.

A equipa é composta por dez profissionais, sendo que os membros executivos sénior têm mais de dez anos de experiência em mercados emergentes e/ou mercados financeiros que, no total, já financiaram mais de mil milhões de dólares em operações de dívida de curto prazo e em mercados emergentes.

Federica Sambiase – Cofundadora e CEO

Andrew Darling – Diretor de Operações e Estruturação

Jorge Luis Cerna Coronado – Encarregue das Relações na América Latina

Gathuo Njoroge - Encarregue das Relações na África Subsaariana

Alison Durrant

Alain Nsiona Defise – Membro não-executivo do Conselho de Administração

Gaëlle Bonnieux - Membro não-executivo do Conselho de Administração

Guido Boysen - Membro não-executivo do Conselho de Administração

Matteo Atti – Membro não-executivo do Conselho de Administração

A partir de janeiro de 2021 - Tineyi Mawocha – Membro não-executivo do Conselho de Administração

Pode saber mais sobre a equipa aqui.

O Modelo de Negócio

A WCA está sediada em Londres, e registada ao abrigo do Regulamento de Prevenção do Branqueamento de Capitais e Financiamento do Terrorismo de 2017. A WCA é uma empresa financeira, angariando fundos (sob forma de empréstimos e/ou de coinvestimentos, tradicionalmente, instituições de financiamento para o desenvolvimento, fundos de crédito ou investidores privados), que empresta depois a empresas nos seus mercados-alvo. As suas receitas provêm da margem de juro líquida entre os juros recebidos dos mutuários e os juros pagos aos investidores.

O mercado-alvo da empresa é constituído por 2 milhões de PMEs em África (1,6 milhões) e na América Latina (0,4 milhões) com limitações de financiamento. Especificamente, a empresa tem operações no Perú, Costa Rica, Colômbia, Equador, Quénia, Ruanda, Tanzânia e Etiópia, com preferência por cadeias de valor da indústria alimentar.

A empresa adapta os seus serviços às pequenas e médias empresas com dificuldades de financiamento – aproximadamente 58% dos pedidos de financiamento transacional são rejeitados pelos bancos apesar do setor, globalmente, representar 44% das propostas de financiamento transacional. Existem três razões específicas para que os bancos rejeitem uma tal percentagem de pedidos: requisitos KYC/AML impostos pelos reguladores demorados e complexos, requisitos de capital muito elevados de tal forma que o financiamento a curto-prazo às empresas com menos notação não é rentável; e limitações no capital dos bancos.

A WCA segue os Princípios para o Investimento Responsável baseado nos Dez Princípios do Compacto Global das Nações Unidas:

Para além disso, a WCA estabeleceu normas ESG relacionadas com investimentos em setores e produtos controversos. A empresa considera que certas indústrias, países e/ou setores não são compatíveis com os princípios da mesma, pelo que se abstém de financiar instituições que não estão alinhadas com o seu compromisso de sustentabilidade, como é o caso da indústria do tabaco.

Trajetória

A WCA foi fundada em 2018 por Federica Sambiase, uma profissional com experiência na indústria financeira que também é CEO da empresa, e que experienciou em primeira mão o modo como os bancos comerciais tradicionais estão adaptados às necessidades das PMEs, especialmente em regiões como a África Subsaariana e a América Latina, onde a necessidade de crédito está a aumentar rapidamente.

A visão da WCA combina os mais de 20 anos de experiência da Federica à sua paixão pela igualdade de género e pelo desenvolvimento, paixão amadurecida enquanto membro do Concelho de Administração da ONG Care International.

Atualmente, a WCA é constituída por uma equipa de dez pessoas, que ocupam cargos executivos e não executivos.

De julho a novembro de 2020 (os primeiros cinco meses do ano fiscal da WCA), a empresa implementou com sucesso programas de financiamento de cadeias agrícolas que contribuíram para a produção de mais de 400 toneladas de café sustentável certificado e 120 toneladas de cacau, com um valor total de mais de 2 milhões de dólares em acordos comerciais, tendo atingido USD 15,000 de receita.

À data de hoje, a empresa tem um portefólio de cerca de 5 milhões de dólares de financiamento na África Subsaariana e na América Latina, a ser implementados nos primeiros e segundo trimestres de 2020. Desde o seu lançamento, já executou mais de 1 milhão de dólares de financiamento a mais de dez fornecedores do setor agricultura de vários países, incluindo a Argentina, o Uruguai, a China, os Estados Unidos da América e a África do Sul. Todos os programas foram pagos de volta na sua totalidade.

A WCA foi igualmente reconhecida como um ator relevante na indústria, o que é demonstrado por:

1. Parceria com o Centro Internacional do Comércio das Nações Unidas, no contexto das suas atividades de apoio ao comércio centrado no género.

2. Parceria com a Câmara de Comércio do Quénia.

3. Convite para falar num painel no Fórum Mundial de Desenvolvimento do Comércio na Etiópia.

4. Convite para falar num painel na Semana da Sustentabilidade Suíça.

5. Convite para falar num painel na East Africa Coffee Annual Summit - Kenya.

Rating Promotor: B+

Garantias

Estado dos Pagamentos: Em cumprimento

2020-12-18

100% financiado

356 investidores angariaram 100.000€

2020-12-02

Aberto a investimento

Esta campanha está aberta para investimento

Estado dos Pagamentos: Em cumprimento

2020-12-18

100% financiado

356 investidores angariaram 100.000€

2020-12-02

Aberto a investimento

Esta campanha está aberta para investimento